poeiraII - Nara Cavalcanti_edited_edited.jpg
png-branco.png

AOS SONHOS QUE NOS ANTECEDEM

Em meio aos altos e baixos das marés, nossas raízes aéreas voltam à superfície, mostram ser nosso sustento no solo inconstante desse manguezal.

São elas que nos nutrem de volta com nossos sonhos ancestrais, pois é olhando para dentro que enxergamos melhor quem nós somos, quem fomos, quem seremos e o que carregamos adiante, instante após instante, na infindável espiral do tempo.

Assim, correndo livremente por entre a vereda das memórias, alcançamos e damos as mãos àqueles que vieram antes de nós.

aos sonhos que nos antecedem

Quais as histórias que suas lembranças guardadas têm a nos contar?
 
Ouvindo atentamente, podemos escutar tudo o que ainda temos a aprender e a ensinar, carregando adiante os nordestes que pudemos mapear, os rizomas que pudemos ramificar e as matrizes que nos permitiram chegar até aqui.

Entre o que é lama e o que é barro, a imensidão dos nossos próprios mangues, a arte de sermos caranguejos moventes e uma ode aos sonhos que nos antecedem. 

caranguejo natural-transparência-branco.png

integram
esta movência:

Cadu Araújo
Camila Cantil
Carol Mota
Eliú Damasceno
Flávia Lira
Gabriel Dionísio
Jocy Junior
L. Henrique Wanderley
Larissa Eduarda
Lord
Maria    
Marcos Alberto
Naiane Pinto
Nara Gual
Sandro Drumond
Sarah Nazareth
Shavanna
Zinid

png_20220710_184845_0000.png
mangue natural-transparência-branco.png
os lares que habito
os lares que habito

press to zoom
página 1
página 1

press to zoom
página 8
página 8

press to zoom
os lares que habito
os lares que habito

press to zoom
1/9

os lares que habito

Camila Cantil

Recife - PE

ensaio visual, 21 x 29,7 cm

(segunda versão) 2022

As produções aqui apresentadas integram parte da minha pesquisa de 2020 a 2021: “A influência da memória e o imaginário na produção do autorretrato”, com bolsa do CNPq e que se desdobrou no meu TCC “Os lares que habito: memória e autorretrato”

Meu processo criativo, em sua maioria, está intimamente ligado à memória. A série “Os lares que habito” fala daquilo de que sou feita e das memórias que me habitam, sejam elas advindas de lugares de amor ou de dor.

Habitar o mundo é uma experiência de visitar e ser visitada por outros, aqui remetendo à escritora Liliane Prata. “Os lares” a que faço menção nos desenhos são uma fragmentação do meu próprio eu, que é constituído por vários outros “eus”, ou melhor dizendo, há nas imagens e no texto referências, em forma de metáforas, ao outro da minha família, o outro do meu círculo de amigos, o outro dos livros que li, as músicas que ouvi, os sonhos e devaneios que já tive, outros e mais outros tantos afora... de antes e depois de mim.

acompanhe a artista em @camila.cantil

Zinid

Kruarã

fotoperformance, 2021

concepção e execução: Zinid

captação de imagens: Rafael Setestrelo

KRUARÃ que traduzindo do KARIRI significa pessoa amarela, é a experimentação em fotoperformances utilizando-se do corpo do artista como suporte principal.

 

Esta série questiona o apagamento da memória social e cultural dos habitantes nativos da Baixa Verde (atual Triunfo) e da ascenção da cultura eurocentrada, através do ser enigmático da Cultura popular triunfense, o Careta de Triunfo. Bem como, também questiona a perda do território do povo indígena KARIRI, com a chegada da produção agrícola de cana-de-açúcar e café. 

Triunfo - PE

KRUARÃ n°1
KRUARÃ n°3
KRUARÃ n°4
KRUARÃ n°5
KRUARÃ n°6
KRUARÃ n°7

acompanhe o artista em @zinid.joao

fragmentos do livro de poesias infinito

Cadu Araújo

UM PUMA SOBRE A TERRA

 

Sou eu, um puma sobre a terra,

mediando a coral no interior

e ao céu, o pássaro observa

atento aos perigos da fera.

 

Protetor do ignoto mundo

ocultado por seres mutantes

na transfiguração do xamã

e na alma que transcende o espaço.

 

Sobrevivo de um tempo escasso

de um pensamento extenso

nas teias da vida,

de reencontros,

da eterna combustão do ser.

Ceará-Mirim - RN

SOMOS

 

Que desperte agora nosso ancestral

Adormecido dentro de nós.

Espíritos atentos

Com maracás nas mãos:

É a resistência potiguara.

 

Temos a força das nações guerreiras

Somos Riachos, serrotes,

grutas e capoeiras.

Estamos aqui por eles,

Meus ancestrais e meu torrão.

Somos, somamos e assumimos:

Potiguaras em luta

Até o último silêncio.

CANÇÃO DAS ONDAS

Acabo de ver com meus olhos

E meu coração em presença

O espírito do ar, vaguear

Devagar, serpenteando

Por sobre a praia.

 

Vi o sol se enroscar no mar

Mar que espalma a areia,

Num vento que ama o mar,

Como o mar ama a lua cheia.

 

Procurei palavras nesse instante e preferi calar dentro de mim deixando me atingir as ondas de dias sem tempo.

 

Assim se fez um só, naquele instante

Eu, o mar, o vento, a terra

E toda chama que nos habitam.

A canção das ondas

Me levou ao oceano

Subindo pelo pôr do sol

Ao encontro do meu céu.

acompanhe o artista em @caduaraujo1

IMG_9827.CR2 - Sarah Nazareth.jpg

objetos transitórios

Sarah Nazareth

Recife - PE

fotografias digitais, 2020

Ao falar de um objeto material, evocam-se também as sensações que se relacionam com a vida de quem os possui.

 

Toalhas de mesa carregam as memórias de tantas infâncias e almoços de domingo. Os filtros de barro são uma fonte de vida. Cada objeto se ressignifica de acordo com as vidas que dividem o dia-a-dia.

 

Imagens de santos e fotografias guardadas como o sagrado que elas representam, objetos herdados pelos ancestrais. Essas imagens são, além de objetos, símbolos de uma história que teima em resistir nas casas.

IMG_9808.CR2 - Sarah Nazareth.jpg

acompanhe a artista em @sarahnazarethh

(a)parente memória

Sandro Drumond

Recife - PE

fotoperformance, 2019

registros por Renata Brilho

Faz mais ou menos 5 anos que venho refletindo e vivendo experiências de morte, aqui entendida de forma polissêmica, já que é um conceito utilizado singularmente em várias linguagens e grupos culturais. Ela pode significar, por exemplo, “falecimento físico”, “violência”, “processo de ruptura”, “esvaziamento” e “invisibilidade”. Confesso que venho experimentando cada uma dessas situações e que a partir dessas instâncias, desloco minha poética para um espaço que é uno e múltiplo.

 

Essa localidade é abundante em salubridade, pois é ali que pontos e laços são tecidos e as águas que formam a existência são encontradas. Andar para dentro com a certeza que ali está a saída é uma assertiva que pressupõe buscar os dispositivos entre percepção e lembrança para que sejam narradas memórias de fertilidade, fortalecimento e de vida.

 

Assim, “(A) parente memória” é uma fotoperfomance, realizada em 2019, proveniente de um olhar intimista sobre a Mãe e o Pai. São retratos que não apresentam descrições literais, pois as memórias contidas não servirão para informar o que é/foi vivido. Elas estão dimensionadas na superfície e no mergulho pessoal de uma vida adulta melada de infância. As aparentes memórias são imagens costuradas por várias outras. Do que forma Pai e Mãe. E seus ancestrais. Os meus ancestrais. 

''(A)parente Existência'' - Do pai, Sandro Drumond, 2019.
''(A)parente Existência'' - Do pai, Sandro Drumond, 2019.

press to zoom
''(A)parente Existência'' - Do pai, Sandro Drumond, 2019. (2)
''(A)parente Existência'' - Do pai, Sandro Drumond, 2019. (2)

press to zoom
''(A)parente Existência'' - Da mãe, Sandro Drumond, 2019. (2)
''(A)parente Existência'' - Da mãe, Sandro Drumond, 2019. (2)

press to zoom
''(A)parente Existência'' - Do pai, Sandro Drumond, 2019.
''(A)parente Existência'' - Do pai, Sandro Drumond, 2019.

press to zoom
1/9

acompanhe o artista em @drumondsandro

as cores
do desa(feto)

Shavanna

aquarelas, 2022

tamanhos e títulos variados

clique em cada imagem para conferir a série completa e mais detalhes

As cores do desa(feto) nasceu da necessidade de denunciar violências veladas cometidas dentro do ambiente familiar, de geração em geração, consideradas normais por serem comuns, através da metáfora da ardência.


Trago o arder como uma nervura que atinge e modifica o ser afetado pelo desafeto, que aos poucos perde o morno e torna-se aquilo que lhe impuseram desde o ventre, violento.

1 - Infância
2 - Adolescência
3 - Juventude
4 - Juventude
5 - Ultrassom
6 - Umbilical
7 - Resguardo

[clique e arraste as imagens para remontar e reorganizar as pinturas da série]

Recife- PE

acompanhe a artista em @shavannaluiza

8 - Resguardo_2
9 - Recém Parido
10 - Trela em Branco
11 - Marcas que não são de Nascença
12 - Vida Maria
13 - Ardência

Carol Mota

raízes

fotografia

digital, 2021

Olinda - PE

Documentar a existência de quem veio antes de mim, é fortalecer laços, valorizar as raízes que me sustentam e me fortalece todos os dias.

 

Na fotografia, as mãos de minha mãe e tia, irmãs, mulheres fortes que admiro. Caberia alí muitas outras mãos, mas diante do contexto de pandemia registro de perto quem divide o espaço comigo.

acompanhe a artista em @moota_c

consequências da guerra

Recife - PE

Maria 

png_20220710_184845_0000.png

calcogravura, 2022

"Consequências da guerra" é uma reflexão sobre como um evento que perdura em países europeus atinge diretamente famílias mais pobres brasileiras. Usando como exemplo a família da artista e a produção de pão, uma vez que um dos produtos mais encarecidos desde o início da guerra na Ucrânia foi a sua matéria prima, o trigo. Recentemente obrigando-os a fechar o seu pequeno comércio.

acompanhe a artista em @kkmariia

png_20220610_161759_0000.png

Salvador - BA

Lord

arte urbana autoral

png_20220610_170207_0000.png

acompanhe o artista em @cadilack31

toc toc

Jocy Junior

fotografia

digital, 2020

São Luís - MA

A imagem, capturada na porta de um casarão situado no Centro Histórico de São Luís, permite pensar sobre as mãos que manipularam e ainda manipulam essas antigas aldravas, hoje gastas.

 

Quais histórias ludovicenses poderiam elas contar, se emitissem algum som além de seu imponente "toc toc"?

acompanhe o artista em @jocyjr

série sem título

L . Henrique
Wanderley

técnicas, tamanhos e suportes variados,

2021 - 2022

Recife - PE

Assim como um sonho é criado e vivido apenas no instante em que ele acontece, meu processo criativo deriva destes que o antecedem.

 

Como num sonho, cada objeto surge de maneira espontânea, e convincente, como uma correnteza contínua de desprendimento com o lógico e o real, onde cada novo cenário apresenta-se por si só aos meus olhos, à medida que o deixo livre para ir e vir.

 

Cada ação cria uma imagem consciente e uma inconsciente, e a minha missão torna-se deixar as duas claras ao espectador.

acompanhe o artista em @blouder__

por um triz

Larissa Eduarda

óleo sobre tela

40x60 cm

Vitória de Santo Antão - PE

É sobre se conectar com a pintura só em observá-la. 

acompanhe a artista em @le_arte_

deixando

Gabriel Dionísio

acrílica e carvão sobre papel, 2022

29 X 42 cm

Recife - PE

por mais que eu deixe

algo de mim pra trás

nesse processo

isso não me priva de olhar pra trás,

talvez

para os sonhos que me antecederam,

e ver onde me levou

e onde não me levou também

e o quão importante é essa dissidência

e incongruência

inconstantes

as vezes esses sonhos são deixados

e nem sempre é bom

mas essa é a natureza das mudanças.

acompanhe o artista em @bad_gabes

raízes aéreas de um mangue vermelho

Flavia Lira

videoarte, 2021

Flávia Lira - direção, roteiro, design, fotografia, colagens e obras.
Christina Machado - orientação artística.
Ana Olívia Godoy - imagens e edição do vídeo.
Diana Cavalcanti - redes sociais.


As filmagens foram realizadas no Atelier das Águas Belas, em abril/2021.

Recife - PE

acompanhe a artista em @flaviadelira

A proposta, aprovada pela lei Aldir Blanc PE e realizada entre janeiro e abril de 2021, durante o isolamento social na pandemia da Covid-19, resultou no vídeo experimental sobre os atravessamentos poéticos das vivências junto às marisqueiras da Ilha de Deus (2010), de Paulista (2014-1016) e da Ilha de Itamaracá (2018-2019) e junto às ceramistas da Comunidade Quilombola de Conceição das Crioulas - Salgueiro (2018-2019).

 

Memória dos caminhos percorridos ao lado de mulheres marisqueiras/artesãs, o vídeo reverencia o mangue, a vida existente na lama, na terra, nas águas. Imaginário materializado na argila, sob a orientação e cumplicidade da artista Christina Machado, foi uma experiência de religação - o sobre-viver.

 

Revela mangue que acontece em mim - em sua natureza criadora - ao vivenciar a terra como refúgio, como caminho de reestruturar a vida. Refiz-me terra - úmida de desejos e sonhos.

o mangue clama

Marcos Alberto

Cabo de Santo Agostinho - PE

Escultura de arame e jornal, 2019

48 x 46 x 61 cm

A obra traduz a sensibilidade dos nossos litorais. Essa é uma excelente oportunidade para reflexão sobre nossas ações e o que podemos fazer para perpetuar os sonhos de nossos ancestrais. 

A proposição trata de esculturas feitas a partir de resíduos sólidos, especificamente o jornal, onde foi atribuído o valor ao material na representação escultórica da fauna e da flora dos manguezais.

 

Esse bioma mostra a sutileza das raízes conectada ao meio ambiente em equilíbrio com as espécies envolvidas. O mangue é lugar de nascimento e desenvolvimento. Além da sua importante função, contribui com a sobrevivência de muitas famílias que vivem hereditariamente deste habitat.

 

O que é movência, senão o movimento de inúmeras espécies que circulam e procuram abrigo nas raízes dos manguezais? Até quando terão essa liberdade, se o lixo e as construções invadem seu espaço?